Educação e interculturalidade no projeto AcademiaCV.pt Boas Práticas: 4ª sessão de formação de tutores

educação e interculturalidade
educação e interculturalidade
Educação e interculturalidade no projeto AcademiaCV.pt Boas Práticas: 4ª sessão de formação de tutores

“Educação e Interculturalidade” foi o tema da 4ª sessão de formação de tutores voluntários do projeto AcademiaCV.pt Boas Práticas. Esta é uma temática essencial para as suas tutorias e apoio ao estudo com os alunos migrantes do Agrupamento de Escolas Patrício Prazeres e no Agrupamento de Escolas Gil Vicente

Tendo em conta o número de tutores voluntários este ano letivo (57!), decidimos dividir esta 4ª sessão de formação em 2 grupos. Realizámos assim, uma primeira sessão no período da manhã e uma segunda sessão à tarde no dia 4 de março 

Se quer saber mais como abordamos a interculturalidade de forma prática no acompanhamento aos alunos no terreno, venha daí!

Refletir sobre a educação e interculturalidade

Após um quebra-gelo inicial, a primeira parte da sessão de formação foi dedicada a responder a esta pergunta. Os participantes foram divididos em subgrupos, onde tentaram responder a esta questão e de que forma poderiam incluir a educação para a interculturalidade nas suas tutorias.

educação e interculturalidade“Ter sensibilidade na forma de comunicar que não tem de ser apenas através da língua”, “o impacto visual é muito importante” e “aprende-se muito com os tutorandos”, foram alguns dos contributos dos participantes!

O que é a educação intercultural?

Segundo o Ministério da Educação “A Educação para a Interculturalidade pretende incentivar os alunos a conhecer os conceitos de identidade e pertença, cultura(s), pluralismo e diversidade cultural.”.

No boletim “Educação Intercultural”, do Alto Comissiariado para as Migrações, encontramos a seguinte definição “A Educação Intercultural significa aprender a viver (e comunicar) com os outros num mundo que é de todos.”

Ainda no mesmo boletim, encontramos os princípios-guia que aplicamos na prática nas tutorias:

  • Aceitação da diversidade cultural;
  • (Re) Conhecimento das várias culturas
  • Igualdade de oportunidades e equidade
  • Interdependência: os nossos atos têm implicações na vida de outras pessoas;
  • Celebrar a diversidade e combater a discriminação; 
  • Aumentar a capacidade de comunicar com todos;
  • Aceitar, consciencializar e abandonar preconceitos;

No fundo, este enquadramento teórico foi referido pelos tutores durante a formação: “Maior diversidade traz maior riqueza”, e “devemos chegar a um equilíbrio entre a cultura de origem e a cultura portuguesa”. 

educação e interculturalidadeEm seguida falámos de várias dicas práticas para aplicar estes princípios nas sessões de tutoria. Dar tempo à criança para que se instale no novo ambiente, verificar inicialmente se se é compreendido pela criança, respeitar o direito da criança ao silêncio ou ainda criar uma sala de aula cooperativa, são apenas algumas das boas práticas a adotar! Pode encontrar o manual completo aqui!

Educação e Interculturalidade: viver a experiência do aluno migrante. O exercício do origami

Porque não há nada como a experiência pessoal para consolidar a aprendizagem, realizámos em seguida um exercício: os participantes devem tentar realizar um origami com parte das instruções para a sua realização numa língua estrangeira!

Este exercício gerou um momento muito divertido, mas também de consciencialização das dificuldades sentidas pelos alunos migrantes quando confrontados a solicitações numa língua que ainda não dominam. 

educação e interculturalidade_origamiE o que sentiram os tutores? “Consigo imaginar os meninos com este exercício, que frustração!”, ou ainda “a parte visual é muito importante, devemos diversificar a nossa comunicação, sem esquecer que ao outro lado há uma pessoa que se calhar não percebe”.

Como superar este desafio? Devemos adaptar a mensagem, ter criatividade e flexibilidade, diversificar a forma de comunicar e os recursos utilizados e procurar apoio e agir em equipa. É muito importante considerar a língua materna da criança como um recurso para a comunicação mútua.

Tal como referido por Dulce Pereira no guia “Crescer Bilingue”: “Fazer conviver duas línguas — a materna e a do país de acolhimento — levanta desafios de didáctica e de pedagogia, exige uma resposta diferenciada do sistema em relação a estas crianças e dá mais trabalho. Mas os resultados serão mais positivos do que os produzidos pela solução castradora de anular a língua materna. 

Há, portanto, que fazer um esforço consistente para que estas crianças aprendam bem a língua do país de acolhimento, para que aqui possam ter sucesso e obter plena integração, num quadro de igualdade de oportunidades em relação aos autóctones. Mas em simultâneo, e com igual empenho, há que valorizar a sua língua materna, vendo-a como uma vantagem e como um recurso cognitivo e não como um obstáculo no processo de aprendizagem.”

Aprender com a diversidade

A última parte da sessão de formação de tutores dedicada ao tema educação e interculturalidade foi dedicada à temática da aprendizagem intercultural. Aqui, falámos de algumas dicas práticas para aplicação nas tutorias:

  • Promover o trabalho em grupo – criar momentos de troca, de partilha alargados;
  • Reforçar o sentimento de identificação/pertença através da colaboração entre pares;
  • Mostrar curiosidade pelas tradições, comida, cultura, estar aberto a conhecer, se for importante para o/s aluno/s;
  • Perguntar, tentar perceber, ao invés de “adivinhar” (evitar preconceitos);
  • Promover partilha intercultural como momento de aprendizagem comum;
  • Usar elementos do quotidiano para conhecer melhor e conseguir adaptar, exemplo, pedir que tragam caixa de cereais para usar o cartão num jogo, ou um folheto do supermercado para recortar imagens…
  • Valorizar os pontos fortes de cada um;
  • Se surgir o tema nas sessões, ajudar a refletir sobre diferenças entre as pessoas, 
  • com respeito por todos ex. cor da pele, crenças, tradições.

Para consolidar esta temática, realizámos também um trabalho de grupo. Dividimos os formandos em pequenos grupos. Cada grupo deve elaborar um conselho a dar a um professor que venha ensinar os tutorandos que acompanham. Os resultados deste trabalho foram muito interessantes, ora vejam:

Se quer saber mais sobre educação e interculturalidade, veja aqui os recursos pedagógicos que o vão ajudar a trabalhar esta temática com os seus alunos!

NEWSLETTER

Se estás interessado em saber tudo sobre a Academia CV e receber mensualmente as nossas notícias, podes subscrever a nossa newsletter.